Agentes de Trânsito – Ações legais ou ilegais?

As opiniões que manifestei no twitter e na imprensa, a respeito da atuação da CONURB por intermédio dos agentes de trânsito, não se trata de “mera” opinião pessoal. Tampouco tem origem por discordância ou desentendimento a respeito da partilha dos valores arrecadados.A CONURB é uma sociedade de economia mista, instituída sob a forma de Sociedade por Ações, cuja função social é a persecução do lucro, sendo equiparada por força constitucional a uma empresa privada.

É uma empresa, a responsável pela fiscalização do trânsito em Joinville.

A CONURB por seus agentes de trânsito, no início do mês de fevereiro do corrente ano, foi protagonista de agressão a um funcionário da Prefeitura Municipal de Joinville. Durante uma abordagem, o cidadão Sergio Sestrem foi imobilizado e amarrado com um cordão de apito, por ter cometido crime de desacato.
O fato gerou considerável repercussão na comunidade e na mídia. Por não aceitar atos de violência como manifestação de poder, de quem quer que seja, manifestei a minha indignação, a princípio como cidadão, e agora como Comandante de uma Organização Policial Militar, o 8º. Batalhão.O município de Joinville, através da Lei Complementar nº 41, de 17 de julho de 1997, criou o Fundo de Desenvolvimento e Urbanização de Joinville, destinado a atender aos programas de desenvolvimento econômico e a implantação de infraestrutura urbana. Com orçamento próprio, oriundo de doze diferentes fontes diferentes, entre as quais, a receita advinda das multas referentes ao estacionamento irregular no Sistema de Estacionamento Rotativo do Município. As atribuições dos órgãos de trânsito municipais, e da CONURB, já foi dito, encontram-se no Artigo 24 do CTB, onde, em seu inciso VII, define que são as infrações por estacionamento, parada e circulação.

Ao defender o posicionamento da CONURB frente a flagrante ilegalidade das ações dos agentes de trânsito diante das recorrentes reclamações da sociedade, pelos abusos cometidos, o Diretor de Trânsito da empresa CONURB fez duras críticas ao Comando do 8.º BPM, insinuando que eu estaria fazendo “apologia ao descumprimento da ordem…”.
Para que a “Ordem” seja cumprida, ela deve ser LEGAL. E, também, só pode haver “desacato” se o ofendido for AUTORIDADE que não é o caso. Então, restou somente o ABUSO dos agentes da CONURB.

Reafirmo a posição sobre a INCONSTITUCIONALIDADE da suposta “delegação de poderes” que estaria contida no Convênio de Trânsito, onde a Empresa CONURB se sustenta.
As atribuições de policiamento ostensivo de trânsito é competência exclusiva da Polícia Militar e, nas rodovias federais, da Polícia Rodoviária Federal e, não podem ser delegadas ao município, pois são de competência do Estado.
São portanto, INDELEGÁVEIS, aquelas funções afetas à segurança pública e à ordem pública.

O Ministério Público de Minas Gerais ajuizou recurso especial no STJ pedindo a proibição das atividades de policiamento, fiscalização e autuações de trânsito no município de Belo Horizonte pela BHTRANS sustentando a tese de indelegabilidade do Poder de Polícia, a pessoa jurídica de direito privado, já que a BHTRANS é constituída sob a forma de sociedade de economia mista, tal qual a CONURB.
A 2ª Turma do STJ entendeu pela inviabilidade de delegação do poder de coerção (aplicação de multa) à BHTRANS, em face das previsões contidas no Código de Trânsito Brasileiro, ao entendimento de se tratar de atividade incompatível com a finalidade de lucro almejada pelo particular.

A CONURB tem Agentes de Trânsito com a missão de fiscalização do trânsito, e, atualmente, tal tarefa extrapola as funções municipais pois, executam Comandos de Trânsito /blitze e, frequentemente abordam veículos em via pública.
Essas ações dos Agentes de Trânsito em blitze, além de manifestamente ilegal por estarem em função de POLÍCIA, desconsideram o perigo inerente à profissão policial, principalmente se for levado em conta que os Agentes de Trânsito Municipais não trabalham armados, quando muito, possuem coletes balísticos.

No dia 10 de Fevereiro do corrente ano, na cidade de Tubarão, foi morto com três tiros, um agente de transito, no exercício da atividade.
Em 27 de julho de 2006, no município de São Francisco do Sul, o Soldado Policial Militar Carlos Custódio Padilha, da Polícia Militar Rodoviária, foi morto com um tiro em um dos olhos e o Soldado Policial Militar Jair Francisco Arins, foi atingido com um tiro de raspão no rosto. Estavam em BLITZ e abordaram um veículo que era conduzido por bandidos em fuga que haviam cometido assalto a residência.Os Agentes de Trânsito estão procedendo à missão do Estado, quando o lógico e sensato seria que bem executassem suas missões precípuas, funções relacionadas à orientação do trânsito em escolas, obras em vias públicas e projetos educacionais, de forma positiva, para a melhoria do trânsito e a segurança, principalmente, em frente Escolas municipais.

O Convênio é um acordo, e, como tal, sugere que foi previamente aceito pelas partes que o assinaram, no entanto, nada impede que seja revisto a qualquer momento, desde que devidamente comprovado seu desequilíbrio e ilegalidade, há seu tempo.

NOTA: Toda a ação que envolva ordem de parada do veículo, vistoria de documentos, revista do veículo e/ou do condutor, é manifestamente ilegal e abusiva. Portanto, cabe reparo, mediante ação judicial promovida por quem se sinta ofendido.

CONCEITUAÇÃO REFERENTE A ATIVIDADES DAS POLÍCIAS MILITARES

Manutenção da Ordem Pública: é o exercício dinâmico do Poder de Polícia, no campo da segurança pública, manifestado por atuações predominantemente ostensivas, visando a prevenir, dissuadir, coibir ou reprimir eventos que violem a ordem pública;
Ordem Pública: conjunto de regras formais, que emanam do ordenamento jurídico da Nação, tendo por escopo regular as relações sociais de todos os níveis, do interesse público, estabelecendo um clima de convivência harmoniosa e pacífica, fiscalizado pelo Poder de Polícia, e constituindo uma situação ou condição que conduza ao bem comum;
Perturbação da Ordem: abrange todos os tipos de ação, inclusive as decorrentes de calamidade pública que, por sua natureza, origem, amplitude e potencial possam vir a comprometer na esfera estadual, o exercício dos poderes constituídos, o cumprimento das leis e a manutenção da ordem pública, ameaçando a população e propriedades públicas e privadas.
Policiamento Ostensivo: ação policial, exclusiva das Polícias Militares, em cujo emprego o homem ou a fração de tropa engajados sejam identificados de relance, quer pela farda, quer pelo equipamento, ou viatura, objetivando a manutenção da ordem pública.

Publicado por

Edivar Bedin

Oficial Superior da Polícia Militar de Santa Catarina, buscando aperfeiçoar conhecimentos, trocar informações e sobretudo discutir questões de (in) segurança pública, ética e moral.

14 comentários em “Agentes de Trânsito – Ações legais ou ilegais?”

  1. Excelente artigo. Apenas discordo do fato de não ser possível configurar-se o crime de desacato contra o agente de trânsito, tendo em vista que, por força do art. 327 do Código Penal, os agentes da SEM são equiparados a servidor público, para fins criminais. Portanto, há sim a possibilidade de desacato nesse caso.

  2. Parabéns comandante. Obrigado pelo serviços que vem prestando para a nossa cidade. A CONURB que abaixe a bola e vá cuidar do que é de sua competencia. Bom, o Tuffi vai sair da presidencia da CONURB, tomara que entre outro um pouco mais inteligente e menos boçal.

  3. Parabéns! É um ótimo artigo!
    Sou agente de transito em Salvador-Ba e aqui nós fazemos tudo no transito, inclusive registros de acidentes com vítimas e blitz de alcoolemia. Acho que estão nos impondo responsabilidades que não são nossas. contudo, nessa questão do agente municipal poder, ou não, parar o veiculo e solicitar a documentaça por ocasião do cometimento de infrações, a Lei deixa espaço para polemicas, pois, o CTB prevê que a regra é constar o prontuário do condutor intrator e, além disso, existem muitas infrações de transito, de competência municipal, como o Art. 230 inciso ll e o Art. 244, dentre outros, que preveem a apreensão do veículo e o recolhimento da habilitação. Por isso, creio que a legislação tem que ser melhorada. pois, se o agente não pode solicitar os documentos de porte obrigatório, como irá proceder para fazer cumprir CTB?…

  4. Parabens comandante, informaçoes preciosas para a comunidade. Para descontrair o legal seria: “cada um em seu quadrado”, certo? Um abraço.

  5. Parabéns pelo Post e pelas informações. Chega de ilegalidades em nossa cidade. Precisamos de pessoas comprometidas com os princípios norteadores do Estado Democrático de Direito em que vivemos.
    Sou a favor das Blitzes, pago meu IPVA em dia e não tenho nada a temer. Mas espero que essas abordagens sejam realizadas por quem tem o poder/dever de realizar.

  6. Excelente explicação Cmt! Perfeitamente pautado nos preceitos legais, com elevado grau técnico, absolutamente coerente e sem o menor viés pessoal. Parabéns!

  7. São portanto, INDELEGÁVEIS, aquelas funções afetas à segurança pública e à ordem pública. CONCORDO, vi eles (guardas) notificando um motorista de Curitiba (fiat stilo escuro) e solicitando documentos de habilitação em frente ao bradesco (terminal central) fotografei e fui ameçado p um deles, já postei no seu twitter (cópia) @edivar_b Fui ameçado p guarda/conurb pq fotografei eles cometendo arbitrariedades px ao Bradesco/D.Fca. 21/2 15hs,relatei a 2 pms/bike/px.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.